quarta-feira, 30 de dezembro de 2009


"Escrever deve ser uma necessidade, como o mar precisa das tempestades
- é a isto que eu chamo respirar."


Anais Nïn
"Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo, mas posso fazer alguma coisa. E, por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso".

Edward Everett Hale

Sandra Silva



quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O Homem - Uma Fera Domesticada
"É preciso ler histórias de crimes e descrições de situações anárquicas para saber do que o homem é realmente capaz no que diz respeito à moral. Esses milhares de indivíduos que, diante dos nossos olhos, empurram-se desordenadamente uns aos outros no trânsito pacifíco devem ser vistos como tigres e lobos, cujos dentes são protegidos por fortes focinheiras."
Arthur Schopenhauer, in "A Arte de Insultar"

Jean Paul Sartre

"O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós."

Dia da Filosofia - 19-11-2009



O Dia da Filosofia por Anselmo Borges14 Novembro
"No próximo dia 19, celebra-se o Dia Internacional da Filosofia. Para chamar a atenção para a sua importância fundamental.Mas, afinal, o que é e para que serve a filosofia?
D. Huisman e A. Vergez, numa bela introdução à sua temática, escrevem, não sem razão, que há duas palavras que fazem do Hamlet "a peça filosófica por excelência". Primeiro, há o famoso solilóquio: "To be or not to be: that is the question" - ser ou não ser: eis a questão -, e, depois, quando Polónio pergunta a Hamlet o que lê, este responde: "Words... words... words" - palavras... palavras... palavras... Alguns pensarão que a filosofia não passa de um jogo de palavras. O que é facto é que a filosofia tem como questão essencial o ser: "Porque há algo e não nada?"Mãe de todas as ciências, a filosofia não é uma ciência no sentido estrito, como hoje a entendemos. Daí que nenhum dos sistemas filosóficos obtenha consenso universal. Assim, quem não toma atenção, ao olhar para a história da filosofia, pode ter a sensação de um montão de ruínas. Mas o filósofo é isso mesmo: filósofo. Não é sábio, mas amante da sabedoria. K. Jaspers acentuou: a filosofia "trai- -se a si mesma quando degenera em dogmatismo, num saber fixado numa fórmula, definitivo, completo. Fazer filosofia é estar a caminho; as perguntas em filosofia são mais essenciais do que as respostas e cada resposta converte-se numa nova pergunta".Montaigne escreveu que "filosofar é aprender a morrer". Portanto, a filosofia também é arte de viver. No espanto interrogador: foi o espanto que levou os primeiros pensadores às especulações filosóficas, escreveu Aristóteles, seguindo o mestre, Platão. Por isso, Kant preveniu que a filosofia não se pode aprender nem ensinar, apenas se pode aprender a filosofar. Foi essa também a lição de Sócrates, o mártir da filosofia. Com o seu método - a ironia e a maiêutica -, ia derrubando o falso saber, assente na ignorância petulante, e, obrigando a reflectir, servia de parteiro à verdade. Acusado de ateu e corruptor da juventude, não temeu a morte. Pelo contrário, enfrentou-a com dignidade, avisando os seus concidadãos: "Obedecerei mais ao Deus do que a vós e enquanto viver não deixarei de filosofar e interrogar-vos: ateniense, como é que te não envergonhas de só pensar em amontoar riquezas, em adquirir honras, e desprezas os tesouros da verdade e da sabedoria e não trabalhas para tornar a tua alma tão boa quanto pode sê-lo?"Filosofar é um trabalho de reflexão, isto é, tem a ver com aquele movimento do espírito que volta a si mesmo, pondo em questão os conhecimentos que já tem, a caminho de um saber do saber, consciente e crítico, e dando razão das coisas, do que é. Neste sentido, a vida verdadeiramente humana é filosófica, ao colocar-se no plano da inquirição racional livre e do constante pôr em questão. A filosofia tem os pés bem assentes na terra, ao contrário do que pensou a jovem serva da Trácia, que se riu de Tales que, ocupando-se de astronomia, caiu num poço enquanto olhava para o céu. O filósofo, indo à raiz das questões, não abandona o mundo: o que alimenta a sua reflexão são os problemas essenciais do mundo e do homem.Kant resumiu a sua tarefa em três perguntas fundamentais: "Que posso saber?, que devo fazer?, que me é permitido esperar?" Questão decisiva é a primeira: a do conhecimento, que coloca toda a problemática das ciências e da metafísica. A segunda põe em marcha uma filosofia da acção. A terceira refere-se ao sentido: estamos entregues a forças cegas?, qual é o significado do homem no mundo? Responder a estas três perguntas seria responder também à quarta: "O que é o Homem?"Disse-se que a filosofia é "serva da teologia". Mas Kant observou ironicamente que a serva tanto pode ir atrás, levantando o manto da sua senhora, como ir à frente com uma tocha acesa, iluminando o caminho. De qualquer forma, o filósofo verdadeiro não cai no dogmatismo: é crítico, humilde e tolerante na busca sem fim da verdade. Porque, como escreveu Unamuno, "nada do que verdadeiramente conta pode provar-se nem refutar-se". A razão, percorrido todo o seu caminho, sabe que acende a sua luz na noite do mistério."

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

=)

Estou aqui numa aula de informática, numa turma nova, com colegas novos e deu-me saudade...
Então vim visitar o nosso "cantinho" e pus-me aqui a ler todos os textinhos que aqui publicamos.
Tantos nos queixamos da turma e agora até temos saudades de tudo x)
Acho que não deviamos abandonar o blog. Porque isto já fazia parte do nosso dia a dia.

Bem, vou estar atenta à aula e só espero que tenham umas boas notas durante este ano lectivo!

Saudades *

Ana Pimenta

sexta-feira, 5 de junho de 2009



O momento, tem mais encanto na hora da despedida..

É tão dificil nos despedir-mos das pessoas que nos são queridas.

Mas é necessário continuar com a vida para a frente, mesmo que com algumas despedidas pelo meio.

Resta-nos guardar todas as lembranças na memória e todas as alegrias no coração...



BOAS FÉRIAS... ;)

:) Adoro-vos a todas...

quinta-feira, 4 de junho de 2009


"A saudade é a memória do coração. "

(Henrique Maximiliano Coelho Neto - Romancista e contista brasileiro - 1864/ 1934)



As aulas estão acabar e as saudades começam apertar.

Nunca deixes que o tempo apague a nossa amizade pois eu nunca deixarei,

Adoro-te

Adoro-te, como o Pico adora o chocapic.

O mundo hoje tornou-se muito pequeno, vi tudo apertado, o momento da despedida ia-se aproximando e eu sentia-me cada vez mais frágil.
As despedidas de pessoas que gostamos são sempre muito dolorosas e esta foi sem dúvida muito triste :( Por mais que tente nao consigo esquecer aquele momento de abraços e beijos, mas foi bom foi optimo e vou guardar sempre no meu coração " Gosto muito de ti "

Adorei este ano lectivo , adorei filosofiar, adorei tudo o que me envolveu, adorei-a e vou adorar sempre.

Um grande beijo de despedida para todos e especialmente para a professora.

Boas férias :)
Para sempre da sua Francesa Linda /*
Conhecimento cientifico e tecnológico

O conhecimento científico e tecnológico ao longo dos séculos tem se aperfeiçoando a todos os níveis e tem proporcionado ao homem imensas vantagens. Entre essas vantagens estão: os avanços incríveis na medicina; a electricidade; a televisão; os transportes; os computadores; a Internet; a canalização e água potável; o telemóvel; entre outros.
A verdade é que usufruímos de confortos que não somos capazes de abdicar, pois, se calhar, sem esses miminhos a nossa vida não funcionaria da mesma forma, mas e se comparássemos a nossa vida com a da Antiguidade? Naquela altura, por exemplo, os filósofos não tinham telemóvel para comunicar as suas teorias ou um carro para se deslocarem até à casa de outro filósofo ou um computador com Internet para publicar com maior rapidez as suas obras; eles adaptaram-se com o que tinham, ou seja, escreviam cartas, utilizavam o transporte da época (cavalo) e escreviam as suas obras à mão. Como vemos, as suas vidas continuaram e se hoje nos faltasse o mais pequeno dos confortos mudaria tudo, eu sou sincera, se me privassem de utilizar um telemóvel não saberia como passar grande parte do meu tempo e só de estar a escrever isto vejo a parva que eu sou, pois estou viciada numa coisita tão fútil, fruto deste grande avanço tecnológico e científico. E é com este exemplo que começo por falar das desvantagens que este enorme conhecimento nos trouxe juntamente com as vantagens. A medicina quase que nos dá uma segunda vida mas também a pode tirar logo ou fazer sofrer muito, pois ao se ingerir imensos comprimidos ou se uma operação correr mal morremos e quando uma pessoa faz quimioterapia sofre como se estivesse quase a morrer; em relação à electricidade, à canalização e água potável, infelizmente, nem toda a população do mundo possui destas coisas que estão presentes na nossa vida; o computador e a Internet, bem isto por imensas vantagens que tenha, a verdade é que vicia e talvez mais do que um telemóvel; os transportes, tão úteis e práticos, são grandes assassinos do ambiente; por último quero referir um aspecto que não referi nas vantagens pois não consegui encontrar nenhuma sequer, estou a falar da construção das bombas atómicas! Eu só gostaria de saber o que é que os cientistas que as construíram tinham naquelas cabeças? Concordo que se deva evoluir mas nem tanto, a ciência e a tecnologia devem ser utilizadas para o bem da humanidade e não para acabar com a sua existência!

Sandrita
nº 13
11º E

despedida


E pronto, mais um ano passou, mais um ano a filosofar, mais um ano a aprender, mais um ano a crescer!

Queria desejar umas boas férias para todas (os) vocês. Muita sorte para os exames e muita sorte na vida.

E lembrem-se: Nunca deixem de filosofar!! =)
"No método experimental, a pesquisa de factos, ou seja, a investigaçao é sempre acompanhada por um raciocínio, de forma que, geralmente, o experimentador realiza uma experiencia para controlar ou rectificar o valor de uma ideia experimental. Entao é lícito dizer que, nesse caso, a experiencia é uma observaçao provocada com um objecto de controlo."


Claude Bernand

quarta-feira, 3 de junho de 2009


"Mas todos vivemos dias incríveis que não passam de ilusão e todos vivemos dias difíceis mas nada disso é em vão"


Nunca desistam dos seus sonhos e dos seus objectivos, pois apesar das quedas e dos dias difíceis...nenhuma luta será em vão!


Lutem, sigam em frente, sem passar por cima das outras pessoas, pois lembrem-se, eles tambem tem sonhos a seguir...nao sejam egoistas, nao sejam invejosos, sejam simplesmente felizes...preocupem-se com a vossa propria felicidade e deixem a vida vos levar! ^^


Boas Férias*

Saudades...

Quando eu for para Cuba, vou ter muitas saudades da minha turma e dos meus stores, que foram muito queridos comigo.
Obrigado a todos e umas boas ferias :)

Filosofia e outros saberes


Filosofia (palavra grega) significa amor a sabedoria, ou seja quem a estuda é aquele que ama a sabedoria e se interessa por procurar as respostas para as questoes fundamentais acerca do sentido da nossa existencia.

A Filosofia aborda vários saberes, como é o exemplo da Realidade e da Verdade.

A realidade é algo que nao se pode negar, está mesmo a nossa frente, é um facto que atinge a independencia de quem o julga.

"Acreditar que a nossa propria realidade é a única realidade, é a mais perigosa das ilusoes..."

Já a verdade é uma visao individual que cada um tem da realidade, que implica a reflexao sobre os significados.

A realidade acaba por ser uma conclusao de um acontecimento e a verdade perspectivas adquiridas através dessa realidade que podem ser questionadas.

A verdade pode ser ontológica (correpondencia entre o enunciado e o facto); lógica (coerencia); útil (orientada para fins); consentida (usa a argumentaçao e os juízos) ou perspectiva (subjectiva e individual). Esta possui inúmeros significados, no entanto a única coisa que podemos afirmar com certeza é que faz parte da realidade, pertence a um ramo desta "árvore" de acontecimentos.

Cada vez mais somos forçados a acreditar em verdades retratadas pela mídia, pela política ou pela religiao, mesmo que nao a consideremos o nosso subconsciente acaba por aceita-la. Para nos libertarmos desta atitude inconsciente e imprevisível, temos que ir a fundo na Filosofia da nossa vida, seguir o mais profundo do pensamento, ir ao mais longínquo dos sentidos e criar opnioes próprias, pois só assim a Realidade passará a depender de como nós próprios encararmos a verdade.

terça-feira, 2 de junho de 2009

A ciência - poderes e riscos




Como sabemos a ciência está presente na nossa vida em todos os aspectos. Não me refiro apenas às ciências naturais como também às sociais: política, economia, psicologia, sociologia, por exemplo; que estão sempre presentes a par e passo connosco.

Todas as culturas, todos os povos recorreram e ainda sobrevivem, alguns deles, com o passar dos anos através das ciências que estes mesmos construíram e que se adequam mais a si.

Eu vivo na era das tecnologias mais extraordinária, mas mais desumana, mais extravagante mas que não olha a meios, mais super-inteligente mas mais doentia...

Todos este desenvolvimento projectado sem qualquer calma, cada vez mais apressado a cada dia que passa, já vem de trás, dos tempos em que as revoluções industriais criaram um "flash" tão claro de inovações que viciava e iludia qualquer um. Ainda continua tudo igual, só a parte estética, desenvolvimento e rapidez de resposta dos mecanismos é que melhoraram.

Eu como jovem integro-me nestes rápidos mecanismos com mais facilidade, astúcia e minuciosidade do que os meus avós ou até mesmo que os meus pais e deixo-me levar de tal forma que sem o meu telemóvel ou computador não me consideraria alguém dotado de qualidade de vida. E não (!), nem experimento sequer.

Isto para mostrar como as vagas de mudança alteraram toda uma geração em relação a outras anteriores; porque eu tenho a certeza que a minha mãe não quer saber do seu telemóvel (prova disso é que anda sempre a esquecer-se dele) e não se importa de escrever uma carta a mão.

Apesar das inúmeras vantagens, a ciência trouxe-nos doenças, corrupção, tráfico, vícios e outros problemas que através da tecnologia ouvimos falar em pequenas "caixas mágicas" e que temos acesso em qualquer lugar.

Tudo para chegar-mos a mera conclusão de que as ciências, juntamente com as suas evoluções, não passam de ciclos atrás de ciclos viciosos!


Helena nº7

Ciência, poder e os riscos.


E se não podessemos falar ao telemóvel??

E se não podessemos tomar duche?

Se não podessemos tirar fotos e marcar belos monumentos?

E se não podesemos nos movimentar, viajar e conhecer novos lugares???



A depência por estas coisas é tal, que hoje se o ser humano se visse despojado destes pequenos confortos e prazeres, era um completo caos!
- E esta é umas das consequências que a ciência nos proporciona, a dependência cientifica é um risco a correr, quando uma pessoa larga toda a sua fé, e encara o cientismo como a única explicação para a realidade.



Eu, simplesmente tinha de passar a comunicar apenas pessoalmente, tomar banho num tanque, deixar os momentos marcados na memória e conhecer tudo o que conseguir pelo meu próprio pé..

:) Como vêem, uma pessoa vive na mesma sem esses luxos da ciência, ou vai vivendo...

Método Indutivo

É importante não desistir!!!
Admiro aquelas pessoas que têm uma grande força de vontade de lutar contra a doença. Essa força de vontade chega a um ponto que vai deixando de existir na medida em que o mesmo problema se repete em várias zonas do corpo.
Sei que é díficil uma pessoa passar por tudo o que já passou anteriormente, sofrendo todos os dias e ver o corpo a transformar-se novamente, mas o remédio é aceitar e fazer de tudo para ultrapassar novamente esta fase má.
Agora digo FORÇA!!! Estamos e estaremos sempre ao teu lado pra tudo o que precisares.
Postado por: Cármen Júlio
nº6

sábado, 30 de maio de 2009


Vivemos num mundo onde as fragatas são poucas e os piratas aos cardumes.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

A ciência, os poderes e os riscos/impacto do desenvolvimento do conhecimento científico e tecnológico



Hoje em dia e cada vez mais vivemos numa “sociedade tecnológica”. A verdade é que o desenvolvimento científico e tecnológico traz vantagens e desvantagens, digo isto, na medida em que nos oferece melhores condições de vida e nos permite ultrapassar algumas dificuldades. Contudo, é necessário estabelecer limites, pois, um progresso tecnológico e científico sem limites vai contra valores humanos.
A ciência é essencial, na medida em que oferece bens e descobertas necessários para o desenvolvimento do país e para vários sectores industriais (desenvolvimento de técnicas, desenvolvimento da medicina, desenvolvimento de novos meios de comunicação e divertimento), sobretudo raciona projectos que contribuem para uma melhor qualidade de vida.
Em contrapartida, traz desvantagens na medida em que a ciência pode ultrapassar o ser humano. Se isto acontecer, a vida humana está em perigo, pois, a ciência apesar de ser desenvolvida e pensada pelo homem, pode em consequência, de não ter limites, virar-se contra o homem.
Exemplo de uma situação em que a ciência ultrapassa o ser humano é o filme “ I robot”.
É necessário estabelecer objectivos, para que possamos usufruir da ciência e da tecnologia, sem romper com princípios e valores humanos, e para que possamos retirar mais vantagens que desvantagens.
Outra desvantagem é a dependência científica do ser humano.
Cada vez mais, a ciência e atecnologia substituem as capacidades do homem fazendo com que este se desvalorize quando comparado com uma máquina (que produz mais e em maior quantidade) o que contribui para o desemprego em todas as actividades, desde a indústria á agricultura.
A ciência é o estudo rigoroso da natureza de acordo com um método científico estabelecido, já a técnica é a aplicação do conhecimento científico para conseguir um resultado prático.
Podemos e devemos desenvolver científica e tecnológicamente, mas com limites.


Vera Mónica Fernandes Teixeira.
Nº17
11ºE

quarta-feira, 27 de maio de 2009

O que posso eu dizer acerca da Ciência, infinitas coisas... Sabendo que sou totalmente dependente dela, tal como todo o universo, sinto me capaz de mergulhar dentro dela.
Desde a antiguidade que ela existe, Galileu Galilei, grande físico e matemático, que descobriu a lei dos corpos e uma infinidade de coisas, foi um dos homens que esteve inteiramente ligado á ciência.
No século XIX, a ciência e a técnica começam a unir-se , caminham lado a lado pois é aqui que começa a existir cada vez mais a necessidade de se separarem das teorias empíricas que não eram comprovadas, aqui com a revolução industrial, com a inovação em novas maquinas e mais especializadas torna-se necessário ter-mos a ciência e a técnica lado a lado.
Agora pergunto ao meu interior e faço questionar-vos a vós próprios, será que se imaginam sem água quente ? sem saneamento? sem telémovel , sem Internet? sem carro?

A coisa mais pequena e mais insignificante se pensar-mos bem, fruto da técnica, hoje não conseguiriamos imaginar-nos sem ela, uma torneira? sem ela não conseguíramos obter água.
é incrível como a ciência consegue ser tão gratificante , apesar de não ser objectiva.
E o uso e abuso excessivo desta imensa e gratificante tecnociencia? Não acham que nos trouxe alguns distúrbios? Desde as doenças provocadas pelo uso excessivo do telemóvel, da Internet, das consolas, a poluição que adveio dos gases emitidos pelos carros belos e coloridos que a ciência nos trouxe ao mundo...
Vejo-me numa situação complicada, não sei se defendo se mostro-me contra ela, mas a realidade está a vista de todos nos, tanto para o bem como para o mal.



Texto escrito a propósito da questão de trabalho de casa sobre a ciência e os seus riscos.
Marina nº11

domingo, 24 de maio de 2009

Não controlo

É de mim o mal, eu sei...também sei que este mal me fará perder tudo o que com tanta estima guardo, bem aqui no meu coração. Não o controlo, não tenho esse poder. Apeteceu-me de verdade estragar um objecto cortante qualquer mas tenho medo da dor.Dor, dor, dor...toda o meu ser tem medo da dor! Neste momento a minha dor encontra-se no estomago, devido a toda a ansiedade que um coração despedaçado está-me a proporcionar e quando estou ansiosa trepo paredes, grito, choro, rio, canto, como, bato,estrago,arrumo,...; sou uma pessoa irreconhecível por conseguir possuir vários estados de humor ao mesmo tempo em conjunto com a dor de estomago. E sinto um vazio, sinto os meu olhos a derramarem lágrimas tão espessas que quase parecem ser de sangue; o meu corpo pede paz, aquela paz que por os intervinientes da minha ansiedade nem quererem saber do meu estado, não consigo fazer ser correspondida. Sei que se dormir esqueço os problemas mas não tenho sono e ainda tenho muitas coisas para fazer por isso esta ansiedade torna-se tão torturante. Queria estar calma mas não consigo. Estou a entrar em paragem neurologica de tão histérica que estou e a ficar agoniada! Se chorar acalma esta tempestade, então, acho que vou chorar mais um bocado...




" Chorar é lindo pois cada lágrima na face são palavras ditas de um sentimento calado"

Boa noite


Helena

sábado, 23 de maio de 2009


As vezes ouvimos as músicas por ouvir. Mas outras vezes, parece que a música é nossa, que as notas fomos nós quem as inventamos, que o ritmo é a nossa palpitação, que a letra são as nossas palavras...




Perfeito vazio


«Aqui estou eu

Sou uma folha de papel vazia

Pequenas coisas

Pequenos pontos

Vão me mostrando o caminho


Às vezes aqui faz frio

Às vezes eu fico imóvel

Pairando no Vazio

As vezes aqui faz frio


Sei que me esperas

Não sei se vou lá chegar

Tenho coisas p’ra fazer

Tenho vidas para a acompanhar


Às vezes lá faz mais frio

Às vezes eu fico imóvel

Pairando no vazio

No perfeito vazio

Às vezes lá faz mais frio


(lá fora faz tanto frio)


Bem-vindos a minha casa

Ao meu lar mais profundo

De onde saio por vezes

Para conquistar o mundo


Às vezes tu tens mais frio

Às vezes eu fico imóvel

Pairando no vazio

No perfeito vazio

Às vezes lá faz mais frio

No teu peito vazio »


Xutos & Pontapés

sexta-feira, 22 de maio de 2009






Fotografias do trabalho realizado pela Verónica Fraga sobre a Pseudociência
Fotos by me
:D
parabéns
Marina Pedrosa nº11
11ºE

quarta-feira, 20 de maio de 2009












Peço desculpa, mas hoje não estou propriamente inspirada para redigir um texto sobre a apresentação do meu trabalho. Portanto deixo aqui algumas fotos para aguçar a curiosidade =)
Beijinhos*
Verónica Fraga

domingo, 17 de maio de 2009

Saudade

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremossaudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos.Saudades até dos momentos de lágrimas, da angústia,das vésperas de finais de semana, de finais de ano,enfim... do companheirismo vivido.Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.Hoje não tenho mais tanta certeza disso.Em breve cada um vai para seu lado, seja pelo destino,ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvezcontinuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados.Podemos nos telefonar conversar algumas bobagens...Aí os dias vão passar, meses... anos... até este contacto tornar-se cada vez mais raro.Vamos nos perder no tempo...Um dia nossos filhosverão aquelas fotografias e perguntarão:Quem são aquelas pessoas?Diremos... Que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!Foram meus amigos, foi com eles que vivios melhores anos de minha vida!A saudade vai apertar bem dentro do peito.Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo.E entre lágrima nos abraçaremos.Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu ladopara continuar a viver a sua vidinha isolada do passado.E nos perderemos no tempo...Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenasadversidades sejam a causa de grandes tempestades...Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessemmorrido todos os meus amores, mas enlouqueceria semorressem todos os meus amigos!

Fernando Pessoa

Ana Sofia Neves nº4 11ºE

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Hoje quero somente uma hora para poder-te dizer que este mundo é demasiado grande para seres so tu a ocupá-lo.








Marina Pedrosa nº11
11ºE

quarta-feira, 6 de maio de 2009


Quanto mais diferente de mim alguém é, mais real me parece, porque menos depende da minha subjectividade. (Fernando Pessoa)


Saudade
Às vezes ponho-me a pensar na vida e vejo que tenho saudades dos tempos de criança. Quando era criança era muito feliz, ficava muito tempo a brincar com o meu avô e com a minha prima.
Infelizmente, ainda pequena, sofri um dos maiores desgostos da minha vida, que ainda hoje não consegui superar, o meu avô morreu.
Hoje mais crescida, dou por mim a pensar e lembro-me perfeitamente de tudo o que ele gostava de fazer, das suas conversas, brincadeiras e, sobretudo, do seu sofrimento. Vi o meu avô a sofrer e a lutar contra a morte, infelizmente, ele não conseguiu lutar mais contra este problema pois já estava num estado avançado.
Sei que onde quer que ele esteja vai estar sempre no meu coração junto das recordações boas que tenho dele e de todos os momentos bons que passamos juntos.
Postado por: Cármen Júlio
nº6


“Não importa quantos cisnes brancos você veja ao longo da vida; isso nunca lhe dará certeza de que cisnes negros não existem.” (Karl Popper)"
Marina nº11



sábado, 2 de maio de 2009

Ruinas


E é triste ver assim ir desfolhando,

Vê-las levadas na amplidão do ar,

As ilusões que andámos levantando

Sobre o peito das mães, o eterno altar. ~





Nem sabe a gente já como, nem quando,

Há-de a nossa alma um dia descansar!

Que as almas vão perdidas, vão boiando

Nesta corrente eléctrica do mar!...





Ó ciência, minha amante, ó sonho belo!

És fria como a folha dum cutelo...

Nunca o teu lábio conheceu piedade!





Mas caia embora o velho paraíso,

Caia a fé, caia Deus! sendo preciso,

Em nome do Direito e da Verdade.


(...)


Guerra Junqueiro, in 'A Musa em Férias'



esc sec carvalhos

Olá boa noite Prof Diana. Não pense que me esqueci de si não pelo contrario, tenho momentos que me lembro bastante da prof Diana,era uma das minhas disciplinas preferidas, mas a vida das pessoas é mesmo assim,não nascemos todos com a mesma sorte. E nem sempre os provérbios estão certos como se costumam dizer, »o Sol quando nasce é para todos.» Isso não pode ser verdade na minha opinião. Com tudo isto gostei de a ter conhecido acho que é uma excelente professora.Com os melhores cumprimentos,Um grande beijinho.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Hipótese



“…e não imagino hipóteses apenas as experimento.
Com efeito, tudo aquilo que não se deduz dos
fenómenos deve ser chamado hipótese.”
Isaac Newton.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

O que é o homem?

O homem vive no mundo e pergunta
pelo sentido da sua existência.
É uma velha pergunta da humanidade
que não pode ser reduzida ao silêncio.
Vivemos e trabalhamos,
suportamos encargos e cuidados,
sofremos e alegramo-nos,
experimentamos êxitos e fracassos,
fazemos esforços e renúncias,
vamos envelhecendo e sabemos
que no termo está a morte.(...)
Para quê tudo isto?
Vale a pena viver?
Qual é o sentido do nosso existir?

E.Coreth, o que é o homem?


Vi este poema na contra-capa de um livro, e simplesmente amei. Expressa exactamente todas as questões que o ser humano faz durante e sobre a sua existência.
São questões filosóficas que nos fazem perguntar pelo sentido da existência humana, e para quê todo este sofrimento se no termo, como afirma Coreth, está a morte...

Vera Mónica Teixeira. Nº17

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Parar no mundo!


É tão bom quando podemos parar no tempo.Simplesmente ver o mundo agitado, com pessoas a correr de um lado para o outro, sentir o vento atravessar-me, sentir o ar puro profundamente, ver as crianças a brincarem, enfim...ver tudo estando parada num local lindo, onde me sinto tão leve que só me apetece voar, gritar para que todos possam ouvir!

Por momentos, penso na vida, no amor, na amizade... A única coisa que retiro desses pensamentos, é as imagens consecutivas de todos os bons momentos, de todas as pessoas que amo, de todas as lágrimas que deixei correr no meu rosto mesmo sem motivo, de todos os momentos em que rio sem razão, de que abraço alguém sem saber porquê, de todas as vezes que me sinto assim, como estou, parado no mundo.

É um sentimento maravilhoso, este. Em que por breves instantes não fazemos nada, apenas nos sentá-mos num local lindo e escrevemos o que sentimos!

Sinto-me a pessoa mais feliz no mundo.

Afinal, porque hei-de ter momentos maus, se tenho o essencial? Porque hei-de querer gritar de desespero, se posso gritar de felicidade? Porque hei-de querer desaparecer, se mesmo presente, me posso ausentar no meu mundo? Porque hei-de desejar morrer,se viver é a coisa mais bela (mesmo que por vezes odeie o mundo em que vivo)? Quero rebolar na relva, quero que me leves para debaixo da chuva contigo, quero ver as estrelas de dia, quero ver a lua, o sol, como se o tocasse! Quero viver intensamente, quero-te comigo, quero-vos comigo, quero viver, sorrir, sofrer, chorar, gritar,brincar, morrer! A vida é assim(ninguém é excepção)! Cheia de emoções, cheia de dor, cheia de felicidade! É uma batalha constante pela sobrevivência e pela procura de nós mesmos, pela procura do sentido da nossa existência.



Atenção, é necessário PARAR NO MUNDO!



Vera Teixeira. Nº17

Quando estamos apaixonados sentimos borboletas no estômago.

Senso comum ou ciência?

Diria amor, somente amor.

Não há provas de que são borboletas, ou melhor, claro que não são. Mas verdade se diga, vocês quando estão apaixonadas não sentem um friozinho na barriga?
Não se sentem diferentes, sorridentes, como se o mundo fosse cor-de-rosa?

Para aqueles que não estiverem apaixonados comam chocolates ou ervilhas:D

marina nº11
11ºE

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Entrega dos prémios aos vencedores da 1ª fase
No passado dia 12 de Fevereiro, foram entregues os prémios às alunas vencedoras da 1ª fase do CNL 2008/2009, nas categorias dos Ensinos Básico e Secundário, respectivamente: Patrícia Bravo Costa (8ºD); Ana Catarina Soares Cardoso (9ºD); Margarida Sofia Júlio (9ºE)e Ana Isabel Teixeira (10ºA); Carmen Cecília Júlio (11ºE) e Verónica Raquel Fraga (11ºE).As vencedoras receberam das mãos da professora Amélia Rodrigues, Vice-Presidente do Conselho Executivo, um certificado da sua honrosa prestação e, das mãos das suas professoras, receberam, como não podia deixar de ser, um dos livros seleccionados pelo júri da final distrital que terá lugar no próximo mês de Março, na Biblioteca Municipal de Anadia.As respectivas professoras que, tal como as alunas, continuam em prova - Anabela Marcelo, Isabel Oliveira; Maria de Fátima Carmo; Marisa Saraiva e Sandra Ferreira - receberam uma rosa, com alguns espinhos, porque é assim a tarefa dos professores que abraçam causas como esta da motivação para a leitura, em pleno século XXI.
Toda a comunidade educativa acompanhará o vosso trabalho, até onde vos for possível chegar e levar o nome da nossa escola!Força e que a leitura vos inspire!
Fotos

sábado, 18 de abril de 2009

Não consigo compreender!


Não consigo compreender porque é que as pessoas se preocupam e se sentem tão inferiores e revoltadas com as diferenças culturas, religiões, costumes, etc.
O ser humano quando confrontado com as diferenças do outro, age de uma maneira desumana. É capaz de fazer guerras, matar, discriminar, etc. Tudo porque é diferente de si!
Na minha opinião, é uma valente estupidez e falta de inteligência, porque cada ser humano como alguém diferente do outro pode complementar-se e partilhar interesses, em vez de se preocupar com a derrota e afastamento do "inimigo".
Como é possivel haver guerras, matarem pessoas, provocarem o sofrimento e dor de crianças que ficam sós no mundo? Como é possivel provocar lágrimas em rostos inocentes que só querem ser livres e viverem uma vida digna com têm direito?
Não consigo compreender o porquê de tudo isto, afinal sempre assim foi... Não consigo compreender o mundo em si, por isso criei o meu mundo e tento mudar o mundo que acolhe o meu mundinho.
Nunca irei compreender as atitudes das pessoas, porque somos diferentes.
Tento mudar as pessoas, tento fazê-las ver o ridículo da discriminação,apenas posso usar a minha habilidade argumentativa e fazer com que essas pessoas possam pensar diferente.
Até lá, penso como Sócrates, ao fim de tudo "Só sei que nada sei".









Vera Mónica Teixeira. Nº17
À que lutar pela vida!




Cada dia que passa apercebo-me que cada vez mais se vê pessoas com doenças graves que se não forem tratadas a tempo podem mesmo levar à morte.
Por exemplo, uma doença que me chamou muito à atenção, o cancro. Cada vez mais se vê pessoas com este tipo de problemas. Vou falar de um caso que mexeu muito comigo.
Foi detectado um tumor no peito de uma senhora. Era um tumor malígno e galopante. Esta mulher encarou a sua doença com muita naturalidade sendo operada e realizando os tratamentos (quimioterapia e radioterapia). Encarou a sua doença como algo natural, não ligando ao facto de ficar careca, ou até mesmo à transformação do seu corpo. A verdade é que ela superou a sua doença. No entanto, passado exactamente ano e meio foi-lhe detectado dois pequenos tumores na coluna, onde correria o risco de vir a ficar paralítica e voltar a realizar novamente todos aqueles tratamentos.


Admiro a força de vontade destas pessoas, que lutam diariamente contra a doença e fazem de tudo, mas mesmo tudo para ultrapassar este grave problema. Estas pessoas necessitam muito do nosso apoio e apesar de lutarem contra este tipo de doenças são pessoas alegres e felizes.



Postado por: Cármen Júlio
Nº6






segunda-feira, 13 de abril de 2009

Mão

O senhor Moura não fala, não chora, não pede, nem sequer abre os olhos. Limita-se ao que lhe dão: come pelas mão de outra pessoa e o seu corpo velho e fragil depende de inúmeros medicamentos que o fazem dormir quase todo o dia. A sua rotina do quotidiano limita-se ao essencial da subrevivêcia.

Agora pergunto o que é que este senhor pensa? O que é que este senhor sente? Este homem é feliz? Como é depender dos outros para tudo?

Um homem que à meia dúzia de anos contava como foi a sua mocidade com um sorriso rasgado se orelha a orelha... Lembrava os amigos, as festas, a família, as aventuras etc... E ainda de passa em passa dos seus habituais cigarros, brincava e encantava as pessoas... Também lembrava a sua má sorte,:o facto de não ter conseguido constituir uma família e um tecto, o que o destinara após a reforma a um lar de caridade... Mas apesar de tudo, era feliz soube viver com o que tinha.

Infelizmente pode-se dizer que foram bons tempos... Agora está , limitado a uma cama. E em volta dele existe uma espécie de cerco. Um cerco que impede conectividade de sentimentos vivências, historias, enfim de vida... Este cerco isola-o dos outras e principalmente de si mesmo!

No entanto:

Por mais mal que se esteja, há, ou melhor devia de sempre haver alguém para nos agarrar a nossa mão. Nem que fosse só para nós sentirmos a energia e força de uma vida num corpo fraco e derrotado pela existência...

Eo senhor Moura tem:)

Olha uma criança.Uma menina.
Como é doce, como é pura, como é tão inocente.
Pertence a alguém , concerteza,
senão levaria-a comigo para casa e faria dela uma princesa.

Como brilham os olhos daquela pequena borboleta
Que esvoaça seus braços
correndo pelo parque, sem destino
sempre a cair por tropeçar nas pedras do caminho
que corre,mas sem se magoar
sempre com uma alegre gargalhada após se levantar.

Oh,como é perfeita esta menina
que no seu vestido dança.
Dança e encanta.Alegra o meu espírito.
Tanta cor liberta neste mundo tão cinzento.
Quanta beleza, quanto alento!

Levaria-a comigo, se pudesse
esta menina tão doce

como um rebuçado de mel
que lhe daria todas as noites em que ela chorasse
para que uma história antes lhe dormir lhe contasse,
de príncipes que lutam contra dragões
na esperança de que até partirmos
reinasse a paz em nossos corações.



Helena nª7

sábado, 11 de abril de 2009

Feliz Páscoa

....Desejo uma Feliz Páscoa a toda a gente....
Espero que tenham um dia muito feliz
Beijinhos Verónica*

Nada, simplesmente nada


Pegou delicadamente numa flor.
Olhou-a com curiosidade de miúda,
E soprou-a esperando pelo embalo do vento.


A flor que era tudo,
Passou simplesmente a nada,
Por causa dum sopro,
Repentino e suave.


A brisa encarregou-se de levar,
Os pequenos pedaços de flor,
Que aqueles lábios,
Sopraram, sem qualquer motivo.


Tudo isto foi um momento,
Um momento que agora é nada,
Um momento pequeno, éfemero,
Que já foi e que não voltará a ser...
Poema feito pelo grandioso Nuno Lopes, inspirado na fotografia.
Na foto: Ana Pimenta
Fotografa: Marina Sophia.
Postado por Ana Pimenta nº3

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Toda a ciência e toda a filosofia são senso comum esclarecido






Como sabemos, nós (sujeito) relacionámo-nos com o mundo através dos sentidos, são eles que nos permitem conhecer verdadeiramente, pois captamos diversos tipos de experiências que constituem o senso comum.
Este constitui-se a partir da apreensão sensorial espontânea e imediata do real, que não utiliza o método científico.
O senso comum, é pois indisciplinar e imetódico (não seguem regras) tal como a filosofia, que não tem pressupostos que devem ser aceites, visto que tudo é susceptível de ser verdadeiro ou falso.
Para além disso, o conhecimento vulgar define-se como vimos, como um conjunto desorganizado de opiniões subjectivas, suposições. Pressentimentos, preconceitos e ideias feitas, que o conhecimento científico vai estudar e procurar a sua veracidade e aceitação perante a sociedade.
Como afirma Karl Popper, o conhecimento vulgar conduz ao erro (temos de prestar atenção) e o científico aprofunda o conhecimento vulgar.
Contudo, não está sujeito a não ser criticado, pois o paradigma pode cair.


Vera Mónica Fernandes Teixeira




(Trabalho de aula)



quinta-feira, 2 de abril de 2009

Gozem bastante.


Boa Páscoa minha gente! :)

Aproveitem bem estas mini férias pois também já nao falta muito para estarmos em época de exames... ;)

beijinhos da Sue

segunda-feira, 30 de março de 2009


« Um dia vais engolir as tuas derrotas, as tuas mágoas e vais querer alguém ao teu lado para poderes pedir um abraço sem te sentires a pessoa mais fraca do universo, vais gritar ao mundo que ele não é justo e que só agora te apercebeste que também não foste justo com ele…
Um dia vais ter que olhar para ti e ver o que foste, o que és e o que vais ser, não para fazeres mil planos, mas sim para ganhares consciência do que tens em ti e o que vale ou não a pena… porque vais poder mudar e crescer e com isso ganhares pontos e sorrisos... mas nunca mais a minha amizade… »
Ana Pimenta nº3
A vida
Muitas vezes pensamos que vivemos num mundo colorido onde tudo é belo e maravilhiso. Mas com o passar do tempo vemos que é um mundo triste, injusto e hipócrita.
Por vezes sentimos que estamos fartos da maneira como vivemos, pois vemos que vivemos tristes e infelizes. Aí vamos sentir a necessidade de mudar, de mudar a nossa maneira se ser, os nossos hábitos, se conhecer pessoas novas e, sobretudo crescer um pouco mais.
Para passar esta fase má da nossa vida temos que sair para desanuviar, divertirmo-nos ao máximo e ser fortes para para atravessar os problemas que estão a surgir, sem não nos deixarmos abater.
Postado por: Cármen Júlio
nº6


Hoje o meu estado de espirito é mesmo este, desespero, agonia, uma vontade enorme de gritar, ser louca, entrar em extase de tanta loucura...

Há muito que tento controlar as minhas emoções mas por muito que insista em guardá-las, elas continuam a querer sair. Torna-se praticamente impossivel esta tarefa, sim isto já é uma tarefa que tenho que realizar diariamente, contudo hoje explodi, os medos, as dúvidas, agonia, o desespero, emanaram cá para fora. Quero fugir, correr, fechar os olhos, acordar, ver que tudo vai ser diferente, mas as coisas não são bem assim... Estou tão cansada, ando constantemente a divagar, estou farta de esperar por um carinho, um sorriso, um abraço, um simples toque de lábios, um olá... Onde estás? Chamo por ti mas não me ouves!! Porque?? Estás tão longe de mim....

Está tudo a desmoronar-se a minha volta, tento mantér tudo direitinho, mas faltam-me as forças... a fraqueza tomou conta de mim!! Sinto-me uma autêntica louca, na verdade, eu sou louca... Estou a ficar demente, os elefantes andam atacar, ai como eu os odeio, mais um motivo para ser ainda mais louca....

Amigas voces devem estar a perguntar-se sobre que raio estou eu a final a escrever, mas nem eu própria sei!! Riu-me de mim disto, pois é hilariante ver o quão toninha eu sou!! Peço-vos desculpa desde já pela perda de tempo que vão ter ao ler esta burrice...

Patricia nº13

sexta-feira, 27 de março de 2009

É incrível como o homem é tão perfeito.

Consigo estar bem num minuto e mal no minuto seguinte.

Arrepio-me pois não percebo como este tipo de alterações pode ser possível.

Hoje sinto-me totalmente uma bebe que ainda não sabe nada da vida apenas chorar para que o consolem, é verdade, hoje só choro, por tudo e também por nada, o que é ainda mais fantástico,

Leio uma mensagem e choro, ouça uma música e choro, a minha mãe fala mais alto e eu choro.

Será normal?

Diria que sim, mas se o facto de eu ter passado o dia com vontade de chorar e ter chegado a casa e ter chorado é um acto anormal então, muito bem, sou anormal com muito gosto, sou diferente com muito orgulho,

É verdade entramos hoje em férias, não sei se rio ou se choro. Ansiava muito este dia, e agora que ele chegou encara-o de maneira tão banal que até enerva.

Esta primeira semana vai ser um inferno, não vou arranjar nada de interessante para fazer a não ser estar em casa em frente a esta caixa chama de computador.

Para a próxima semana sim, poderei dizer que vou estar bem, espero eu, vou a França, já não vou lá a tanto tempo. :S Não é que ame aquele país, porque não não amo, mas é um país bonito e tenho lá família e tem um ambiente envolvente de amor, por isso estou morta por ir para tirar fotografias :D



Feliz Páscoa e Boas férias.

*
marina nº11

quinta-feira, 26 de março de 2009













É assim que eu vejo o mundo. Palavras para quê? Só as imagens descrevem o quão decadente está o mundo, a nossa casa!!
Sandra Patricia
13º







quarta-feira, 25 de março de 2009

Liberdade e responsabilidade

O Homem e a Liberdade
O Homem é uma realidade em aberto, é uma realidade inacabada e, por isso, é “artífice de si mesmo

terça-feira, 24 de março de 2009

Benefícios e malefícios do amor

Quando penso na palavra amor vejo que é difícil defini-la, uma vez que não existe uma definição concreta.
Para mim, existem vários tipos de amor: o amor comum, que é aquele que sentimos pela nossa família, pelos nossos amigos e aquele a que chamamos o amor intenso, que é aquele que mexe mais connosco. Quando amamos alguém é muito bom, mas é ainda melhor quando somos correspondidos, quando contamos cada hora, cada minuto e cada segundo para chegar à hora de estar com aquela pessoa.
Um casal, quando este apaixonado, não consegue esconder este sentimento, quer vivê-lo intensamente e aproveitar ao máximo este grande momento.
É bom sentir que somos amados! Mas nem sempre isso acontece.
Por vezes, damo-nos conta que nos apaixonamos pela pessoa errada. Aí, vamos sentir uma grande desilusão amorosa, com bastante sofrimento e dor. Custa muito ver a pessoa que amamos de mão dada com outra, muito felizes a trocarem carinhos, segredos e promessas; começamo-nos a imaginar no lugar dessa sortuda, mas não passa de um sonho. A solução é mesmo esquecer essa pessoa. A verdade é que vai custar muito, mas temos que saber lidar com este mau momento.
O amor é e vai ser sempre uma grande complicação, mas com o decorrer do tempo vamos saber o que é amar verdadeiramente uma pessoa e vamos usufruir dele junto da pessoa que amamos.

Postado por: Cármen Júlio
nº6

NÃO TE AMO


Não te amo, quero-te: o amar vem d'alma.
E eu n'alma tenho a calma,
A calma do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.

Almeida Garrett

domingo, 22 de março de 2009

Como vejo o Mundo?

Como vejo o Mundo? É esta a pergunta que me colocam, como se a resposta fosse exacta e simples. Não é!

A visão que temos do Mundo varia, varia não só de olhos para olhos, mas também de dia para dia. Definitivamente há alturas em que tudo para mim é brilhante e sedutor, nesses momentos o "tudo" encontra-se decerto encoberto por um negro véu pintalgado por brilhantes esplendorosos, o qual me esconde a dura realidade que caracteriza o Mundo, e ao mesmo tempo concede-me alturas de pura felicidade inocente e ingénua. No entanto, nem só de alegrias vive o homem e é com muita mágoa que assisto à descida do véu que me cega, e aí recupero a visão, infelizmente aquilo que vejo não tem sentido: pessoas que se traem e me traem, costas que se voltam, palavras oportunistas, armas de fogo, choros incansáveis, olhares impávidos perante tamanha destruição,... Vou ser muito honesta, há alturas da vida em que não gosto de ver com os olhos da compreensão, prefiro ver somente o superficial, todas as mentiras que se assemelham a verdade e parecem verdades realmente. Mas que posso fazer? Mudar o Mundo e tudo aquilo em que se transformou, um vasto deserto repleto de carcaças ensanguentadas? Queria muito, mas é impossível, muitos tentaram, acabaram por ser assassinados e não alcançar o seu objectivo primordial.

Oh! Mundinhos infame e pestilento em que me inseriram à força, agora percebo porque nasci depois do tempo e com mais probabilidades de morte do que de sobrevivência! Diz-me, qual é a criança que, na posse das suas faculdades mentais, decide abandonar o quente e acolhedor útero da progenitora e atirar-se a uma Mundo detestável? Porque é assim que eu o vejo, negro, competitivo.

Por mais felizes que sejamos, por mais ricos, mais perfeitos, o Mundo não é assim, tirem essa venda e vejam-no, vejam-no em toda a sua magnitude mortiça. Vejam-no brutal, sangrento e indecente. Um Mundo impróprio que tem de ser mudado!

Verónica Fraga

quinta-feira, 19 de março de 2009

Poema

DESTINO

Quem disse à estrela o caminho
Que ela há-de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta --- <> ---
E ao mudo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?

Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se à flor branca ou à vermelha
O seu mel há-de ir pedir?

Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem...
Ai! não mo disse ninguém.
Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela,
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.

Almeida Garrett

Ana Sofia Neves nº4 11ºE

Como eu vejo o Mundo

O Mundo... Será que realmente alguém o consegue descrever? Será que realmente sabemos o que é?
Eu não sei... Que posso eu dizer, com apenas dezassete anos?
Talvez que tudo gira em volta do sexo, das drogas e do rock n' roll...
Ou talvez que o mundo é lindo, que a vida é maravilhosa?
Sou apenas uma adolescente, todos os dias vejo o mundo, encaro a vida, de maneira diferente, todos os dias são diferentes!
Pouco posso dizer acerca do mundo, porque o mundo somos nós que o fazemos, todos os dias! De uma maneira positiva, ou negativa...
Ana Pimenta nº3

domingo, 15 de março de 2009



Nos termos da Lei de Defesa do Consumidor, incumbe ao Estado, às Regiões Autónomas e às Autarquias Locais proteger o consumidor, norma essa que dá cumprimento aos princípios constitucionais que consagram os direitos dos consumidores (Art.º 60.º) e que atribuem ao Estado o dever de os defender e de garantir a defesa dos interesses dos consumidores.

Para esse efeito, considera-se consumidor “todo aquele a quem sejam fornecidos bens, prestados serviços ou transmitidos quaisquer direitos, destinados a uso não profissional, por pessoa que exerça com carácter profissional uma actividade económica que vise a obtenção de benefícios”.

Os direitos reconhecidos aos consumidores na Constituição e na Lei são os seguintes:
-Direito à protecção da saúde e segurança;
-Direito à qualidade dos bens e serviços;
-Direito à protecção dos interesses económicos;
-Direito à reparação dos prejuízos;
-Direito à informação e à educação;
-Direito à representação e consulta.

O reconhecimento dos direitos dos consumidores exige uma consciência precisa por parte dos cidadãos e dos agentes económicos, a existência de meios expeditos de acesso à justiça e à resolução de conflitos e a plena informação e preparação educativa dos consumidores, bem como a existência de fortes organizações representativas.

Como prevenir Conflitos de Consumo:
O mais importante é ter provas a seu favor. A forma mais simples de as ter é passar tudo a escrito.

Regras mais importantes:
-Pedir sempre o recibo das quantias pagas ou dos objectos entregues (por exemplo: máquinas para reparar, roupa na lavandaria, etc.);
-Exigir orçamento escrito;
-Se a empresa diz que dá regalias que não são usuais, que as passe a escrito;
-Exigir um exemplar do contrato assinado com a empresa;
--Não assinar nada cujo conteúdo:
Seja muito longo e não deixem ler em casa;
-Não perceba integralmente.
-Se uma cláusula do contrato parece dúbia e a empresa diz que tem um sentido que não lhe parece decorrer no texto, exija que lhe passem a escrito essa interpretação e a assinem, dando-lhe um exemplar desta;
-Se tiver dúvidas antes de celebrar um contrato, não o assine até se informar junto de uma entidade competente.
Não esquecer também:
-Pagar antes de receber é sempre um risco;
-Pagar a prestações é sempre mais caro. Exija que o contrato indique todas as prestações que fica a dever;
-Antes de pedir empréstimos exija ao banco, por escrito, as cláusulas que este propõe;
Evite sistemas de compra complexos que não compreende;
-Na lei há sempre prazos. Aja rapidamente.
Como actuar em Caso de Conflito de Consumo:
,Reclamações - As reclamações emergentes de uma relação de consumo podem ter uma ou mais de várias finalidades:
,Obter reparação de danos;
,Denunciar actuações contrárias à lei;
,Solicitar informações e esclarecimentos.
Marina nº11

sexta-feira, 13 de março de 2009


'sonhos traídos.. são sonhos que o destino tem.. sonhos traídos.. vêm .. sem avisar ninguém.. sonhos traídos são.. mágoas que ficam.. na vida de alguém..'


Traíram o teu sonho, mas virão sonhos melhores.
Guarda as mágoas, mas não as deixes estragar o teu futuro.
Vive a vida sem limites :')

Para: Marina Sophia


Ana Pimenta