segunda-feira, 13 de abril de 2009

Mão

O senhor Moura não fala, não chora, não pede, nem sequer abre os olhos. Limita-se ao que lhe dão: come pelas mão de outra pessoa e o seu corpo velho e fragil depende de inúmeros medicamentos que o fazem dormir quase todo o dia. A sua rotina do quotidiano limita-se ao essencial da subrevivêcia.

Agora pergunto o que é que este senhor pensa? O que é que este senhor sente? Este homem é feliz? Como é depender dos outros para tudo?

Um homem que à meia dúzia de anos contava como foi a sua mocidade com um sorriso rasgado se orelha a orelha... Lembrava os amigos, as festas, a família, as aventuras etc... E ainda de passa em passa dos seus habituais cigarros, brincava e encantava as pessoas... Também lembrava a sua má sorte,:o facto de não ter conseguido constituir uma família e um tecto, o que o destinara após a reforma a um lar de caridade... Mas apesar de tudo, era feliz soube viver com o que tinha.

Infelizmente pode-se dizer que foram bons tempos... Agora está , limitado a uma cama. E em volta dele existe uma espécie de cerco. Um cerco que impede conectividade de sentimentos vivências, historias, enfim de vida... Este cerco isola-o dos outras e principalmente de si mesmo!

No entanto:

Por mais mal que se esteja, há, ou melhor devia de sempre haver alguém para nos agarrar a nossa mão. Nem que fosse só para nós sentirmos a energia e força de uma vida num corpo fraco e derrotado pela existência...

Eo senhor Moura tem:)

12 comentários:

Anónimo disse...

Um super atleta chamado Serge Nubret, 69 anos, 102kgs, 4% de gordura corporal, mais de 50 anos de treino intensivo, 2º colocado no Mr.Olympia 1975 e um dos maiores fisiculturistas de todos os tempos teve um derrame e entrou em coma. Como um atleta descomunal como Nubret pode acabar numa cama de hospital? Como alguém que dedicou mais de 20.000 horas de treino e aeróbicas pode simplesmente ter um ataque repentino?

O que eu tiro de conclusão da história do Nubret, é que não importa o que você é e o que você faz, a idade atinge a todos e no final todas as diferenças se tornam iguais, pois no final sobram apenas os ossos.

O mais importante é que temos a chance de escolher o que devemos ser e o que faremos.

Ass: Pedro

Susana disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Sue disse...

5estrelas.
:) Parabéns.

11ºE disse...

:) Oh Carla acho que este é o texto mais espetacular deste blog.

=D está mesmo fantástico. Esta miuda é um prodigio.

11ºE disse...

Ass:. Sue

11ºE disse...

Minha querida este texto ta fantastico, carregado de magia e de emoção, ao ver esta fotografia fico deliciada por tao bela que está e fico com vontade de partilhar a minha mão a esse senhor e aoutros como eles.
Vamos fotorgráfalos e contar a historia de cada um?
:D

marina

11ºE disse...

Sim Marina:)

Vamos:)

BeijinhOO

Carla

11ºE disse...

Quem me dera,
vamos vamos carlita.
vamos fazer um livro de historias e de fotos

11ºE disse...

Sim boa ideia:)

Eu gostava!!

BeijinhOO

Pimenta disse...

Sem palavras para descrever o quão lindo está exte texto!
Simplesmente amei

E quero conhecer o senhor Moura :)

11ºE disse...

erro: Este

Pimenta

11ºE disse...

é tão lindo este texto, esta fotografia.... ai que génio que tu és...

Beijinhos*

Verónica